LIVRO: A ESTRADA DA NOITE (TERROR)


A Estrada da Noite, o primeiro romance de Joe Hill seguindo o sucesso crítico de sua coletânea de histórias 20th Century Ghosts (inédita no Brasil), foi um sucesso de vendas por aqui, tendo figurado por várias semanas nas principais listas dos mais vendidos, inclusive por algum tempo ao lado de A Torre Negra, de Stephen King. A muitos pontos de contato entre o romance e a obra de Stephen King, mas para ser honesto com Joe Hill, não vou compará-lo ao seu pai.

O romance segue Judas Coyne (trocadilho com "moeda de Judas"), um músico de rock gótico, agora na meia-idade, divorciado e semi-aposentado que, em sua morbidez, compra um fantasma pela Internet. Colecionador de objetos bizarros e sombrios - incluindo uma fita de vídeo que mostra um casal de jovens sendo mortos -, Jude, como é conhecido pelos amigos, não resiste à oferta de adquirir o paletó de um homem recentemente falecido. Quem o vendeu dizia que o fantasma acompanharia o paletó, e é justamente isso o que acontece, com a peça de roupa chegando em uma caixa preta em forma de coração.

É o fantasma de Craddock McDermott, pai de Anna McDermott, a suicida ex-amante de Jude. Muito rapidamente ficamos sabendo que assombrar Jude e os que estão em torno dele - a nova amante Marybeth e o secretário Danny - é um plano premeditado de vingança elaborado por Craddock e por sua outra filha, Jessica, que culpam Jude pelo suicídio de Anna. (Mais tarde se descobre que não era bem isso...)

O herói do romance, Jude, não é um cara legal. É egoísta, mesquinho, ressentido e autodestrutivo, mas sofre transformações acentuadas ao longo da história, incluindo mutilações físicas, guinadas no conteúdo de suas músicas, e uma revisão de suas atitudes passadas. Joe Hill, porém, parece não ter conseguido romper completamente com a caracterização anterior, e produz um final que me soou pouco satisfatório. Não obstante, A Estrada da Noite é um dos principais lançamentos de horror dos últimos anos, pela originalidade com que aborda o gênero, pela leitura intensa que oferece, e pelas implicações da terrível jornada de Jude Coyne por sua acidentada vida e pelo coração da América dos nossos dias.


Bom eu to lendo e to achando muito bom, para quem gosta de ler e gosta do estilo de livro como Stephen King escreve , Joe Hill é um otimo escritor tambem e segue esta linha.

0 comentários:

Postar um comentário